Como é bom estar aqui

Eis meu primeiro texto neste lugar tão especial que é o #LugarArtevistas. Agradeço a amada Roberta Bonfim pelo convite. Aceitei com muito gosto, o mesmo gosto que tenho pela escrita. Escrever é verdadeira e essencialmente importante. É uma da muitas artes que dominamos. É uma ação que, percebo, me instiga a dizer sempre muito mais e melhor o que falaria normalmente numa conversa ou em outras situações que envolvem a oralidade. 

Mas, para começar, quem sou eu, né? – Sou o Jean Jackson. Não considero fácil apresentar-me. Ultimamente tenho dito que sou padeiro/cozinheiro por vocação e paixão, professor de inglês por formação e patinador por amor ou vício. Mas não me resumo a essas categorias apenas. Sou educador, produtor, linguista, aventureiro, artista, ArteVista.

Antes de tudo, considero-me um ser. Um vivente neste planeta, aprendiz de tudo. Meus interesses estão além do que conheço. O desconhecido, o novo, me causa a vontade natural de conhecer e entender. 

Escrever sempre foi do meu agrado. Dissertações, cartas, bilhetes, listas ou planos. Sempre fui de escrever. Gosto muito do que disse o grandioso e admirável Graciliano Ramos em uma carta à sua irmã Marili. Para ele “só conseguimos deitar no papel os nossos sentimentos, a nossa vida. Arte é sangue, é carne. Além disso, não há nada”. E, de fato, a vida é o que acontece ao nosso redor todos os dias. É o que nos faz pensar, imaginar, inventar, sonhar, criar e fazer acontecer.  

Aqui, doravante, me dedicarei em compartilhar meu livre pensar, reflexões sobre tudo que me “atravessa”. A essência dos meus textos é a minha realidade, outras realidades, minhas ideias e ideais, meus sonhos, meus desejos. Por fim, quero ainda dar dicas de receitas, explorar curiosidades sobre linguagem, contar das minhas aventuras sobre rodas, indicar livros, filmes, séries e tudo mais que me convém. 

Muito bom estar aqui.