Dos rituais de passagem à faxina interior

Há quem diga que não vivemos esse ano de 2021… Discordo. Vivemos, sim. E, mais que viver, sobrevivemos e continuamos, em meio a essa Pandemia e aos absurdos desse desgoverno.
Vivemos e vivenciamos muitas perdas. Perdemos entes queridos, acolhemos choro de amigos, vimos muitas empresas falindo, o crescimento exponencial da miséria, da fome e do desemprego e famílias inteiras indo morar na rua, entregues à própria sorte. Nosso país voltou ao cenário da fome.
Vivemos o aumento da violência doméstica e acompanhamos disparar os índices alarmantes do feminicídio, o aumento dos divórcios e das doenças psicoemocionais.
Mas, aqui estamos! Uns mais fortes, outros machucados e todos nós com o desejo de renovar as esperanças para o ano novo.
É isso que se faz necessário agora. Pegar papel e caneta e traçar novos planos, anotar desejos e metas. Materializar sonhos e aspirações de um mundo melhor, justo e feliz.
O que eu desejo e o que me proponho realizar, nem sempre estão na mesma sintonia.
Meu desejo é livre… Mas, ele, por si só, não basta. A realização do desejo está, intrinsicamente, ligado a energia que eu coloco para realizá-lo, as escolhas que vou precisar fazer e o “preço” que vou ter que pagar, por cada troca ou renúncia. Não adianta, por exemplo, querer ter mais saúde, se você não está disposto a se cuidar. Melhorar alimentação, fazer exercícios físicos, cuidar da sua saúde mental, entende?
Final do ano tem dessas coisas… Apesar de saber que sempre é tempo para recomeçar, o final do ano, encerra um ciclo de 365 dias.
E agora, zera tudo e temos mais 365 oportunidades para fazer e acontecer as mudanças que desejamos.
Chegou a hora dos rituais de passagem… De preparar a casa, esvaziar gavetas, tirar o que não usa mais dos guarda-roupas, fazer a energia circular. Desapegar.
Momento de fazer também a faxina interna, limpar o corpo e a mente para esse novo momento. Afastar os pensamentos negativos, ressignificar mágoas. Momento de perdoar. Deixar o passado, no passado e seguir mais leve, com coragem e confiança.
E, como dizia o sábio poeta Gonzaguinha:
“Fé na vida, fé no homem, fé no que virá… Nós podemos tudo, nós podemos mais, vamos lá fazer o que será”!

Feliz Natal!
Um ano novo cheio de boas surpresas e repleto de maravilhosas realizações.
Abraços, Samya Régia Antero

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s