Eu ainda enxergo o sol

Oi… Sou eu aqui de novo… Minha rotina mudou um pouco sabe, aos poucos vou juntando caquinhos e consigo colar o vaso o todo.

São 2:00 da madrugada, a noite quente, sento na garagem a luz da lua nova. Grande, majestosa, cintilante… Solitária… Acendo meu baseado, cada trago é um soco amargo no meu estômago, um tapa seco no meu cérebro. Coloco meu fones de ouvido, óbvio que a playlist é asiática, Atarashii Gakko tá corroendo meus ouvidos… Paro de ouvir por completo, pelo menos por agora, o barulho imenso que minha cabeça tá fazendo. Uma confusão de pensamentos, vozes, discursos. Consigo pelo menos um sossego pra poder pensar.

Eu pensei que não ia conseguir.

Tenho o sentimento de ter envelhecido 10 anos nessa pandemia.

Esses últimos 2 anos foram os períodos onde eu completamente sumi desse mundo, sumi de mim, de tods eu me transformei em mim que não me reconheci nem um pouco, fui impulsos de prazer e dor. Tive muitas perdas na memória, principalmente de mim. Parece que pra mim as coisas tem que perder os laços, todos os laços que formei foram por água abaixo. Confesso que passei a tesoura de costura em vários laços propositalmente por puro prazer do abandono. Mas outros foram tão doloridos que até então não consigo ficar triste por nenhum…

As vezes dói tanto que parece que vou ter um infarto.

Pelo menos consegui sobreviver a uma pandemia no Brasil em pleno 2021, eu vivi pra ser vacinadu, num país onde pessoas defendem terraplanismo… Eu vivi para ser versões terríveis de mim mesma…

Desculpa se não fui eu pra você, eu apenas estava sendo…

Eu queria conseguir passar horas contando como um lindo diário, aqui pra vocês sabe. Eu nunca sei de quem eu tô falando sobre quem eu estou falando com eu estou falando. Eu apenas falo. Minha existência é tão íntima que não consigo revelar ela nem pras minhas mais íntimas relações. Isso já me prejudicou muito, talvez eu tenha excluído a possibilidade de viver algo, mas as vezes não viver algo é viver algo. Sempre fico refletindo porque relações humanas devem ser montadas em uma pilastra de referência e é aquilo. Eu não tenha maturidade ainda para viver em sociedade, não em uma que está fadada ao fracasso. Ainda tenho que aprender a ser mais sincero comigo mesma antes de ser para outras, outros problemas. É difícil encontrar a si mesmo. Principalmente quando não se sabe onde você está…

…Talvez o diabo saiba…

Talvez eu seja um bom pai

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s