Vida e trabalho

“Um homem se humilha

Se castram seus sonhos

Seu sonho é sua vida

E a vida é trabalho

E sem o seu trabalho

Um homem não tem honra

E sem a sua honra

Se morre, se mata

Não dá pra ser feliz”

Guerreiro Menino – Gonzaguinha

De fato, tudo que nos faz refletir de maneira mais profunda está diretamente ligado a nossa vida real, nosso dia a dia. Cada acontecimento pode ser um gatilho para uma porção de ideias. Criamos um mundo na mente que, antes de ser imaginado, também é resultado da realidade, resultado de tudo que verdadeiramente existe. É da condição humana ser pensante. É o que nos difere dos demais animais, dizem.

Tenho pensado ultimamente sobre trabalho, emprego e vida; o trabalho é uma condição indissociável da vida. Se há  vida, há trabalho, sempre existiu. Já com a invenção do emprego, passamos a gastar nosso tempo de vida com tarefas a serem cumpridas, horas marcadas, alarmes, cronogramas, rotinas etc. E a vida, é pra ser vivida. 

Desde pequeno fui iniciado aos trabalhos dentro e fora de casa. Isso, sem dúvida, tem influência, hoje, na minha  disposição e aptidão à uma série de serviços. Gostar de fazer, e fazer bem feito é o resultado das cobranças dos adultos ao meu redor, naquela época, para que eu fizesse bem feita toda e qualquer atividade que me atribuíam. 

De modo geral sou grato por, desde a infância, ter tido tantas oportunidades e experiências que me fizeram ser quem sou hoje: um trabalhador nato. A vida sem movimento nunca fez sentido para mim. Mas, por outro lado, reconheço a necessidade e importância dos momentos de ócio. Respeito, sempre que posso, meus limites. Busco equilíbrio em tudo. Afinal, sempre acreditei na vida baseada em movimento e equilíbrio. Aproveitando o gancho, isso é a perfeita analogia à patinação ou ao ciclismo e tantos outros esportes que precisam dessa combinação para acontecer.

Muitos afirmam que vida e trabalho são a mesma coisa. Na verdade, acredito que viver dá um tanto de trabalho. Para viver, em nossas sociedades modernas, temos a necessidade de trabalhar num emprego, para, em troca, conseguir manter um padrão de vida confortável e com dignidade básica. Nada além do que deveria ser garantido a qualquer ser humano desde o nascimento. Aí vem ao pensamento os muitos trabalhadores com difíceis condições de trabalho, as irregularidades e desigualdades que fazem uns serem mais explorados que outros.

É bastante utópico pensar que pode existir o fim do trabalho/emprego como conhecemos. Existem indícios lógicos e evidentes de que pode acontecer uma significativa diminuição no número de vagas de emprego, principalmente devido a evolução tecnológica. Assim tem sido com a substituição gradual dos seres humanos por máquinas e inteligências artificiais. Não é de hoje que observa-se e sabe-se disso.

Mas como poderemos superar essas previsões? Trata-se de uma questão de planejamento de políticas públicas? – provavelmente. Nosso planeta é rico em recursos que, na maioria das vezes, são desperdiçados: matéria-prima e alimentos. E o planejamento não poderia ajudar a evitar desperdícios? – sem dúvida! O básico sempre será alimentação e moradia. Com isso resolvido o resto flui. Agora, o mais difícil será abolir os interesses da minoria que controla o poder e usa isso para exploração e lucro. Acredito e tenho uma forte esperança de que a humanidade caminha para a resolução de grandes questões como essas. É o que eu quero, um dos mais profundos desejos meus.

Sempre existiu desproporcionalidade entre pessoas e vagas de emprego. Os que estão fora das estatísticas do desemprego são, infelizmente, sortudos. Do contrário, seriam infelizes por não poder ter uma vida minimamente aceitável. Os tradicionalistas, mentes fechadas, podem achar uma tremenda besteira, mas a verdade é que é difícil fugir da alienação que o capitalismo sempre nos causou.

Fica fácil perceber o porquê de muitos trabalhadores permanecerem “presos” em seus empregos. É quase uma obrigação, um dever. Existe tensão e pressão para conseguir pagar os boletos e por mais injusto, ilegal, irregular, exploratório e nocivo à saúde física e mental, ter um emprego garantido, parece que sempre será a alternativa menos pior.

Sonho com uma grande mudança de valores, éticos e morais, desde as bases do sistema. Espero que possamos garantir nossas liberdades individuais, desejos, conforto, momentos de descanso, lazer, prazer e trabalhos, sem necessariamente submeter-nos ao apagamento/esquecimento do nosso verdadeiro lado animal, humano, que é o estado de desfrute da vida em contato com a natureza.

Ao passo que é no mínimo preocupante pensar sobre isso tudo, é preciso ao mesmo tempo tentar acalmar a mente e buscar aquele famoso equilíbrio através  de alternativas criativas e outras coisas que nos ajudam a suportar. Isso evitará uma crise existencial gerada por uma causa que não tem nem previsão para solução. Tipo: aceita que dói menos. Aqui, no final, deixo escapar risos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s