Vivendo o presente

Marcelina Acácio

Tenho exercitado não fugir ao presente, este é um exercício de atenção. Escuta.

Quando sinto que me distancio, imediatamente volto.

Isto é a PRESENÇA, um corpo vívido, habitado e habitando.

Estava certa da mudança para uma casinha no Centro, com quintal, varanda, plantas frutíferas, numa rua aparentemente tranquila, entre a Padre Valdevino e Bárbara de Alencar, nas imediações do Banco Central, a poucos minutos do mar da Praia de Iracema.

Mariana e eu nos encantamos de imediato e num ato de impulsividade decidimos alugar.

Da casa futura à casa presente, o trajeto percorrido de bicicleta foi vestido por pensamentos que já me faziam moradora da casa, cozinhando num fogão de barro, que eu e Mariana já havíamos construído, em menos de duas horas.

Sem contar os diálogos:

– Ah, mas os banheiros são tão pequeninhos, Mariana.

– O quintal tem espaço para um chuveiro, e nós podemos construir um banheiro sustentável.

– A feijoada do Júnior Barreira no domingo, com muito samba.

– Uma mesa de madeira grande para o alpendre.

Chego em casa, banho e comunico à família (esta que eu escolhi, que são os melhores amigos com quem eu poderia passar 05 meses de confinamento, porque nós somos as pessoas que convidaríamos para as nossas festas).

Num instante meditativo no meu quarto, uma voz interna me diz para eu voltar ao presente, eu estava já morando em outra casa, e não habitava mais à mim mesmo, pois que para habitar-se é preciso estar no presente. Recuperei a consciência e com calma, dois dias depois, optamos por adiar o plano da mudança, dadas as incertezas com o futuro. Estou confortável, e é esta a questão. Mariana virá morar conosco, oficialmente.

Eis o exercício, trazer-me insistentemente ao presente.

Voltei a ter saúde, e com saúde se pensa melhor.

Não me canso mais com o mundo, e nem com esta ideia de amor.

Me preparo para entrar no meu inferno astral. Hidratei os cabelos, e agora vou para um banho de ervas (manjericão, alecrim e boldo, com óleo essencial de patchouli e muita reza), feito pela Raísa Inocêncio, amiga que os ventos fizeram cruzar os nossos caminhos. Epahey, Oyá!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s